Educação em tempos de distanciamento: qual a visão das famílias?

Acreditamos que sempre seremos mais bem sucedidos se buscamos trabalhar em conjunto, seja em momentos fáceis ou difíceis.

Na educação, sabemos que todos estão passando por desafios de todas as ordens. A nova realidade com as aulas à distância, as mudança de rotina de alunos e familiares e os problemas de inadimplência são algumas das situações desafiadoras.

Sabendo que a preocupação pela educação deve ser de todos, entrevistamos algumas mães dispostas a conversar sobre o que estão passando e os aprendizados que estão tendo neste período de distanciamento social.

Quais estão sendo as principais dificuldades das famílias?

O que os pais priorizam neste momento da educação?

Quais aprendizados as mães estão tendo e que devem compartilhar com os demais?

Como usar a tecnologia para facilitar o relacionamento com a escola?

Estes são alguns dos pontos que abordamos neste post. Esperamos que goste e que seja útil!


O fator humano é prioridade, mais do que nunca

Sabemos que o momento que estamos vivendo é realmente difícil. Com todas as dificuldades que enfrentamos, o cuidado com a saúde mental e emocional deve ser ainda maior.

E assim como vários colaboradores da escola, os pais estão tendo que acumular funções tentando dar conta de todas as tarefas rotineiras.

Por isso, ter empatia para entender e dialogar com as famílias é fundamental.

A vendedora Danielle Melo, mãe do Eduardo (13 anos) e João Pedro (15 anos), diz que é um momento de reflexão para todos. “É um ano de muito aprendizado. Infelizmente a doença mexeu com a saúde emocional das crianças, principalmente as mais novas que não estão convivendo com outras”.

Outros problemas, como o atraso do aprendizado, ficam menores quando vistos em perspectiva. “O fator aprendizado nos preocupa sim, mas precisamos pensar que o mais importante nesse momento é o cuidado com nossos filhos”, diz Danielle.

Para a jornalista Ana Rezende, mãe da Victória (14 anos) e Frederico (11 anos), a principal necessidade, agora, é sermos humanos!

“Estamos todos passando por um momento único que exige habilidades que, até então, nem tínhamos desenvolvido. Enviar tarefas demasiadas com prazos tão curtos, exigir produtividade e desempenho, isso tudo só gera mais ansiedade, tensão e estresse,” explica.

É possível amenizar as dificuldades ocasionadas pela pandemia tendo uma comunicação acolhedora. Simples mensagens enviadas podem contribuir para que os responsáveis vejam com mais leveza tudo que está acontecendo.

É uma época estressante não só para os pais, mas para todos. É possível fazer a diferença com atos simples, apenas reconhecendo as realizações e esforços dos outros. Se existir empatia, todos saem ganhando no final.

Ao buscar o diálogo e ter uma relação transparente com os pais, sua escola fará a diferença, mostrando-se resiliente diante de uma crise.

“Novos momentos exigem novas atitudes. O público já está experimentando novas experiências, seja no consumo, seja na educação, no entretenimento. Marcas resilientes entendem estes movimentos e agem com responsabilidade, muitas vezes experimentando novos approaches e até mesmo produtos, respeitando o contexto com o momento exigido”

Mauricio Martiniano, Senior Business Executive no Google

O uso de vídeos ajuda a enriquecer a comunicação com os alunos e as famílias

Conteúdo em vídeo é o mais fácil de ser consumido. Ele cresceu na internet seis vezes mais do que o consumo pela TV, nos últimos 06 anos. 

De acordo com dados da Nielsen, o isolamento em casa pode levar a um aumento de quase 60% na quantidade de conteúdo audiovisual consumido.

Pelo fato da maioria das pessoas terem hoje um smartphone com boas condições de gravar vídeos, esta pode ser uma excelente alternativa para a sua escola.

Danielle torce para que a escola de seus filhos compartilhe mais vídeos. “Seria bem interessante receber vídeos de um pedagogo, ou um psicólogo, orientando os pais e tranquilizando. Tem sido um momento difícil e este tipo de ação ajudaria”, afirma.

Além de receber pelo app todo o calendário de atividades e avaliações, Leila, mãe da Lívia (16 anos) e do Matheus (13 anos), recebe da escola mensagens em vídeo de professores e funcionários com orientações e apoio emocional e, para ela, isso pode servir como um ótimo exemplo para as demais escolas.

Podem ser vídeos curtos, sem a necessidade de edição, disparados diretamente pelo aplicativo ou outro meio de comunicação da escola. Isso ajuda a aumentar a conexão e a sintonia entre as famílias e os educadores.

Muitos alunos sentem a falta de ver o (a) professor (a) e um vídeo pode fazer toda a diferença.

Entender as diferenças de comportamento neste momento é importante. Veja alguns dados na imagem abaixo.

O novo normal na Quarentena

A parceria com as famílias elevada a um novo nível

Nunca foi tão necessário existir um bom alinhamento entre escola e os pais. Até porque, como os educadores e os pais podem se adaptar à nova situação se não trocam aprendizados entre si?

Ambos precisam conhecer a fundo o cenário em que o outro se encontra para que possam se adaptar com mais velocidade e fazer escolhas mais inteligentes.

Enviar enquetes para os pais para que compartilhem informações com a sua escola, ou ter canais de atendimento para a interação rápida sobre diferentes assuntos, são também excelentes práticas de relacionamento.

Para Maria Leonor, mãe do Gabriel (11 anos) e Gustavo (13 anos), o momento só deve estar sendo tranquilo para os pais que têm filhos disciplinados, que estudam bem e são responsáveis. “É muito difícil ter que ficar cobrando, ajudando, tomando conta para ver se estão cumprindo as tarefas,” diz.

Para ela, cada família tem que criar seus próprios hábitos, senão tudo fica fora do controle. Regras e horários são importantes e podem ajudar. Se você não estipular compromissos, não vai funcionar. É preciso estudar e se dedicar com cada filho”.

Se essa é uma grande dor das famílias neste momento, sua escola pode tentar ajudar com sugestões de atividades educativas. Dicas de livro e sobre como ter mais foco nos estudos podem ajudar.

Veja aqui para 3 ferramentas para melhorar o foco dos alunos nos estudos

Outra dor dos responsáveis é a gestão do tempo. Ao mesmo tempo que precisam ajudar os filhos em casa, muitos estão também trabalhando em sistema de home office.  “A organização da rotina no atual cenário é extremamente importante e propicia que as demais responsabilidades sejam cumpridas com sucesso,” diz Ana Rezende. 

Por isso, se sua escola consegue ter cronogramas de atividades e prazos bem estabelecidos, essa organização pode refletir positivamente para todos. 

Use a tecnologia para dar mais opções para as famílias e reduzir a inadimplência

Poder usar o celular, ao invés de precisar ir presencialmente a uma agência bancária, gera muito mais conforto e agilidade no dia a dia.

Para atividades mais burocráticas, quando existe a opção de resolver essas pendências usando a tecnologia temos melhores experiências.

Ao analisar sob a ótica dos responsáveis, já perguntou para eles o que pensam? Questionamos as mães se elas veriam vantagem em realizar pagamentos da escola pelo app e elas responderam positivamente.

Segundo Leila, poder pagar as mensalidades e taxas pelo app seria muito interessante. “Já consigo visualizar os boletos, mas se preciso parcelar tenho que ir até à escola. Essa comodidade poderia estar no app; traria benefícios tanto para os pais como para a escola com a redução da inadimplência,” explica.

Danielle também concorda que ter essa opção no app da escola seria excelente. “Já utilizo aplicativos de banco, compras e outros. Possibilidade de novas conexões entre escola e família são sempre positivas”.

Para Maria Leonor, a possibilidade de ter outras formas de pagamento facilitaria muito a rotina. “Pagar pelo cartão de crédito seria ótimo, de qualquer lugar e a qualquer hora. Fora poder ter acesso às informações onde quer que eu estivesse”.

Para ajudar as escolas a otimizarem o envio dos pagamentos, o Pague é uma solução da Escola em Movimento para simplificar o envio das cobranças pelo app.

Outra possibilidade com o Pague é o envio de contratos também pelo aplicativo, com assinatura eletrônica que tem validade jurídica. Assim, toda a experiência de aquisição ou alteração de um serviço pode ser feita à distância.

“Imagina que ótimo não precisar ir na escola e perder todo aquele tempo? É tão trabalhoso que eles têm mandado a papelada para a nossa casa, para depois devolvermos, porque demora demais. Vamos combinar, que horas você tem para ir à escola quando trabalha o dia todo? Tem que gastar a hora do almoço”, explica Leonor.

Escolas que utilizam o app da Escola em Movimento podem ativar o Pague gratuitamente, veja como aqui. Se ainda não utiliza, pode agendar uma demonstração com um especialista para entender como funciona na prática. 

O caminho pela frente

Se buscarmos aprender com todos os desafios e desenvolver uma parceria ainda mais forte entre família e escola, vamos sair melhores quando essa crise passar.

Ana Rezende dá o conselho para cada um focar no que é prioridade. “No meu caso, neste momento delicado, minha prioridade é minha família. Estamos todos em casa, seguros, saudáveis e nossas necessidades primárias estão sendo atendidas”.

Leila acredita que o todo o processo de educar seja mais em conjunto. “Podemos tentar engajar mais os pais com a educação dos filhos. E que os pais nunca deixem a função de educar apenas para a escola. Que se aproximem e participem de suas vidas!”

Nós da EEM temos muita gratidão por contar com a parceria de milhares de educadores e aprender junto com cada um de vocês.

Assim, como aconselhamos você a buscar o diálogo com as famílias, queremos ter sempre o canal aberto para que também dialogue com a gente. Você pode acessar esse formulário ou entrar em contato conosco pelo email contato@webapp203002.ip-69-164-201-75.cloudezapp.io ou telefone 0800 608 6242.

Obrigada por não deixar a educação parar! ❤

PéssimoRuimRegularBomExcelente (10 voto(s), média: 4,90 de 5)
Loading...
Author: Ariany Silva